NOTÍCIAS

A Santos Inocentes quer cuidar do filho que você pensou em abortar

paulo-fernando_santos-inocentes

A 25Km de Brasília, em Samambaia, uma casa oferece abrigo para mães que não desejam seus filhos. Pela dificuldade em admitir suas limitações físicas, psicológicas, financeiras e emocionais, muitas decidem abortar no silêncio e na clandestinidade. Mas um grupo religioso tenta convencer essas gestantes do contrário. Em troca de evitar o aborto, os integrantes do Santos Inocentes oferecem o improvável: criar o filho rejeitado pelos pais e conduzi-los à adoção. Também estendem a mão para essas mulheres confusas sobre o seu destino.

Atualmente, 50 bebês vivem sob os cuidados da comunidade Santos Inocentes. O acolhimento é dividido em duas casas alugadas. Em uma delas, ficam os recém-nascidos órfãos. Na outra, as mães que foram convencidas a cuidar de seus filhos. Hoje, três delas vivem no conjunto 5 da QR 425, em Samambaia Norte. O projeto reúne 14 funcionários, dos quais, pelo menos, 10 são voluntários.

Juliana (*) é uma das mulheres acolhidas pelo grupo. “Ele não teve culpa de nada. Eu não poderia matá-lo”. É assim que a jovem de 20 anos explica o motivo de ter desistido de abortar. O “ele” a que se refere é seu primeiro bebê. O nome e o sexo da criança ainda são uma incógnita. Mas o feto de quatro meses cresce no ritmo natural e vai muito bem.

MAIS SOBRE O ASSUNTO

Alunos da Católica lançam carta de apoio a professora desligada da universidade após defender a legalização do aborto

CCJ aprova diretrizes para programa de prevenção a abortos

Internautas lançam a campanha “Pílula fica, Cunha sai” contra projeto de lei que dificulta acesso ao aborto

Líderes religiosos defendem debate sobre aborto em casos de microcefalia

Com serenidade, Juliana fala de sua vida (veja vídeo) – e sobre a do bebê que carrega no ventre. Seu discurso e suas lágrimas são fruto da experiência conturbada que viveu até aqui. Agora, porém, a futura mãe com aparência e jeito de menina chora de alegria. Ela está convencida de que dará à luz, mesmo sem o apoio do pai. Não importa mais o que passou.

Juliana é uma das gestantes que, na última década, conheceram o grupo Santos Inocentes em um momento decisivo, o de abortar ou levar adiante a maternidade não planejada. Ser mãe jovem, solteira e sem o apoio do pai da criança ou da própria família significa enfrentar dúvidas, medos e preconceitos para os quais as mulheres, muitas vezes, não estão preparadas.

O desafio inclui encarar o ímpeto de interromper a gravidez e os riscos de tomar essa decisão, já que o aborto é proibido no Brasil e feito de forma clandestina país afora.

O grupo Santos Inocentes tenta convencer essas mães de que existem alternativas ao aborto. Sobrevivendo de doações e do que chamam de “providência divina”, a associação católica – porém, sem o apoio financeiro da Igreja – mantém com dificuldades duas casas alugadas para tocar o projeto. Os imóveis ficam na mesma quadra, quase de frente um para o outro.

A ideia nasceu em um grupo de oração voltado para a defesa da vida. Mas, “como a fé sem obras é morta”, os integrantes decidiram fazer algo para tentar impedir que mães como Juliana abortassem. Começava, assim, em 2002, o Santos Inocentes, em alusão aos bebês abortados. A meta do grupo é “contribuir para erradicar o aborto no Brasil”.

“Questão de aborto”

De vez em quando, o telefone toca e do outro lado da linha perguntam se ali “resolvem questão de aborto”. Quem atende diz que sim. As mães, então, batem à porta das casas em Samambaia, pensando se tratar de uma clínica abortiva. Encontram pessoas dispostas a escutar suas dúvidas e dificuldades. Os voluntários abraçam, acolhem essas mulheres pelo tempo que for necessário e, no período, tentam desencorajá-las do aborto.

 

Engana-se quem acha que, por serem católicos, os missionários usam e abusam de doutrinas ou sermões religiosos para impor ordens ou ideologias. “Muitas vezes, só é preciso ter paciência para ouvi-las e compreender o sofrimento delas”, conta o atual administrador da associação, Areolino Dias, 39 anos, conhecido apenas como Ari.

Segundo ele, sete em cada 10 mulheres que procuram o grupo Santos Inocentes voltam atrás na decisão de abortar seus bebês. Uma equipe multidisciplinar – formada por psicólogos, pediatras, pedagogos e outros profissionais – apoia o líder Ari na dura tarefa diária de lidar com dramas reais.

Um dos primeiros casos considerados “de sucesso” pelo grupo foi o de uma mulher que, mesmo tendo sido estuprada, acabou decidindo levar a gravidez adiante. Hoje, o filho, já crescido, se tornou o grande companheiro dela. A mulher ajuda a associação.

Crianças para adoção

Os voluntários do Santos Inocentes defendem: se a mãe não quiser ficar com o bebê de forma alguma, o aborto também não é a única solução. O grupo se dispõe a cuidar das crianças após o nascimento, até que elas sigam para a adoção, com o devido acompanhamento da Vara da Infância e da Juventude. No entanto, a maioria das mães, comemora Ari, desiste da ideia. “Elas aprendem a amar a vida que há dentro delas durante a maternidade”, afirma.

Os casos são, quase sempre, muito delicados. Geralmente, pegas de surpresa com a gestação, mulheres demonstram medo, impotência, raiva, tristeza profunda ou tudo isso misturado.

 

Os missionários do Santos Inocentes já encararam situações “embaraçosas”, como a de uma mulher religiosa, casada, que engravidou ao trair o marido. Embora ela tenha procurado ajuda, não deixou a criança no abrigo. Não sabem, sequer, se ela chegou a ter o bebê. Em outro atendimento, uma garota de programa, cujo companheiro mora em São Paulo e nem imagina o trabalho que ela desempenha na capital federal, desistiu de interromper a gravidez. Está certa de que quer dar à luz o filho de um cliente do qual nem sabe o nome.

Juliana, a jovem do início deste texto, engravidou do ex-namorado, que não demorou a abandoná-la e foi o primeiro a sugerir que ela “tirasse o bebê”, o que só não ocorreu porque o casal não tinha dinheiro para comprar os medicamentos. “Continuo sem dinheiro e não terei o pai da criança por perto. Não sei como vai ser, mas terei esse filho. E ainda vou voltar aqui para dizer para outras mulheres que vale a pena”, encoraja-se.

* Nome fictício

Serviço:

Quem quiser apoio ou ajudar o projeto pode ligar para os telefones 3359-3652 ou 3359-2867

Fonte: metropole

Sair da versão mobile